sábado, 7 de abril de 2012

4º passo – Quinta-feira Santa - O Senhor, aqui, é mais realidade

Subi ao terraço mais alto da Cidade, quase sala de cima da velha Jerusalém, o do Convento de São de Salvador, minha casa desde que cheguei. Aurora ainda, as nuvens baixas inflamadas entre alaranjado e rosa, dentro de muros um silêncio já claro, silêncio de altar, a oriente, já iluminado ostensório, o Monte das Oliveiras, e emergindo lento e solene sobre ele da noite, como cósmica hóstia luz e ouro, o sol nascente, vindo donde Domingo, entre ramos e alegria, viéramos, porque o Senhor, triunfante, por aí viera, entrando em Jerusalém para a Páscoa.

A paz deste momento inicial foi prelúdio de um dia impossível de dizer.

Basílica do Santo Sepulcro, às oito horas, entrada do Patriarca trazido pela Custódia da Terra Santa. Começa a Celebração que reúne numa única a Missa Crismal e a Missa da Ceia do Senhor, logo pela manhã, estranha situação. O Tríduo será todo assim. Amanhã, logo pela manhã, celebraremos a Morte do Senhor e no dia seguinte, logo pela manhã, celebraremos a Vigília Pascal, roubando à Páscoa a espera expectante do sábado.

Porquê? A história de Deus connosco continua a ser a de sempre, uma história de paradoxal sujeição Sua aos nossos limites, quadratura impossível, água e terra e fogo e ar, da plenitude do círculo que só a loucura divina alcança; aqui os limites têm um nome que até no dizer-se incorrectamente diz como seria desejável crescer dele, o Statu Quo. É este documento que espartilha a celebração do Tríduo Pascal na Cidade da Páscoa. E este ano, pela primeira vez, o Tríduo Pascal é celebrado com um ritual, aprovado por Roma com carácter definitivo, de acordo com o espírito da Reforma Litúrgica. Vale a pena contar: o chamado Statu Quo foi imposto pelo Império Otomano às Igrejas da Basílica do Santo Sepulcro, também de Belém e do Túmulo da Virgem, em 1852, consagrando a situação que vigorava desde 1767. Ao longo dos séculos, nunca foi possível separar a vida deste Santuário dos acontecimentos da história mundial, dos interesses da Europa colonizadora nomeadamente e da consequente instabilidade política que a Cidade de Jerusalém sempre conheceu. Os Estados imiscuíram-se frequentemente, por iniciativa própria ou a pedido das Igrejas, muitas vezes ao serviço de interesses estratégicos das potências.

Formalmente, na Basílica do Santo Sepulcro estão, para além da Igreja Católica Romana, a Igreja Ortodoxa Grega e os Arménios e também os Coptas e os Siríacos. As disputas, nomeadamente territoriais entre elas na Basílica, foram uma constante, particularmente entre católicos e gregos nos séculos XVII e XVIII. O Statu Quo determina muitos aspectos: a posse dos espaços na Basílica, o horário e a duração das celebrações, o itinerário das procissões e como se devem fazer, o uso de incenso, de velas, as leituras e o canto. Para a Igreja Católica isto significou ter de cingir o Tríduo Pascal às linhas de uma prática litúrgica muito antiga, impossibilitada de adaptações e de toda a evolução litúrgica que se registou entretanto. Já desde 1955, com o Papa Pio XII, quando mudou o modo católico de celebrar a Páscoa que mudanças eram procuradas no Santo Sepulcro, mas só em Outubro de 2011, ao fim de um longo percurso, foi aprovado o novo Ritual, já em experiência desde fins da última década do século passado.

Hoje, logo de manhã, aqui, celebramos a Ceia do Senhor à hora da Missa Crismal, juntando ao Lava-pés a renovação das promessas sacerdotais, a consagração do santo Crisma e a bênção dos Óleos dos Catecúmenos e dos Enfermos. Longa Liturgia da Palavra, que muitas eram as faces do Mistério a contemplar. O Patriarca trouxe a história até à Entrada do Sepulcro: «Nós somos prisioneiros do ódio, da desconfiança e do medo entre os homens», diz, em nome do seu povo que habita a própria Cidade Santa, os Territórios da Autoridade Palestiniana, Israel, a Jordânia e Chipre; continuou: «para nós que vivemos sobre esta Terra Santa, Cristo continua a sofre nos membros do seu corpo místico; nós que somos confrontados cada dia com a falta de liberdade e paz, com o vexame, os sofrimentos e mesmo o martírio. Estas condições de vida ferem-nos no mais profundo da nossa alma. Nós temos tanta fome e sede de justiça e de paz; nós só sonhamos levar uma vida normal».

Após, a veemência do Bispo ainda a ecoar na Anastásis, o gesto maior do contraponto divino à história do homens, a parábola do Lava-pés, o modo joanino de dizer a instituição da Eucaristia. Filhos de Francisco, guardiães desta Terra, descalçam as sandálias que palmilham estes lugares desde que Francisco aqui veio, na sua cruzada alternativa de 1219, e o Patriarca, servo, inclina-se diante de cada um dos doze e a água corre da jarra sobre os pés nus. Anormal mas ideal, este horizonte para renovarmos as promessas sacerdotais, as duas centenas de presbíteros que estávamos, experiência única esta de o fazer aqui, colocando o Acto nas mãos do Patriarca da Igreja-Mãe Jerusalém, donde Pedro partiu para Roma; aqui, diante do Sepulcro Santo aberto a ilustrar maximamente o sentido oculto, como no segredo a passagem da Morte à Vida que só ele viu, dinamismo pascal de passagem que a consagração do Crisma das unções sacerdotais, proféticas e reais, tal como, antes, a bênção do óleo dos já a viver o risco-de-vida na doença ou os ainda a preparar-se para a vida-outra dos filhos de Deus, os catecúmenos, que aqui encontra o seu lugar originante, naquela porta aberta na edícula do Sepulcro: todos lá nascemos, como narra a longa evocação da história da salvação para a consagração do Crisma a atravessar permanentemente as portas antigas dos muros de Jerusalém, a criação, o dilúvio, pomba e ramo de oliveira, Moisés e Aarão, o sacerdote, David, o rei e, na aurora, João, o Baptista, profeta, até chegar, definitiva travessia, à Entrada do Sepulcro aqui.

E a Eucaristia, aqui, a Anáfora I, os sacrifícios de Abel e Melquisedeque, a Virgem Mãe e José seu esposo, os apóstolos e tantos mártires, aqui, per ipsum et cum ipso et in ipso, Cidade-altar. E, de novo, o apelo da ressurreição, incenso, muito incenso, a Rotunda a fazer-se itinerário circular, luz entre as mãos. Três voltas redondas, que a quadratura é humana, mas Deus circular plenitude, a última volta a alargar-se à Pedra da Unção, o Patriarca, chegado ao peito, entre as mãos, as mesmas que haviam lavado pés, o Corpo Eucarístico; e as palavras antigas quase como as portas da velha Cidade, mas não tanto, porque cantam já a chegada da nova Jerusalém, Lauda Sion Salvatorem, Pange língua glorioso corporis mysterium, Adoro Te devote latens Deitas. Incenso, outra vez muito incenso diante da Presença, a elevar-se aos três patamares de galerias da cúpula, como as palavras que chamam os sentidos à reverência, Tantum ergo Sacramentum. Santíssimo colocado no Sepulcro, envolvido em flores, damascos, linhos e velas e silêncio adorante, silêncio que fica… que as portas da Basílica continuam cerradas após a Celebração, a Basílica hoje exclusivamente dos latinos, como aqui são chamados os católicos.

Não é a presença de Cristo que, aqui, é mais real. É Cristo que, aqui, é mais realidade.

Foi o dia inteiro a comprová-lo.

Princípio da tarde, no Convento de São Salvador, o Vigário Custodial acolhe cordialmente os representante das Famílias Nusseibeih e Joudneh, muçulmanos que há séculos são os detentores da Chave da Única Porta da Basílica do Santo Sepulcro, emparedadas as outras existentes. Neste dia, vêm à Custódia, numa visita simbólica após a qual o Vigário, com alguns franciscanos mais, com a chave na mão, única vez em cada ano, desce até à Basílica, onde a devolve, para que a Porta seja solenemente aberta, com o complexo cerimonial deste dia.

Pouco depois, no Santo Sepulcro, Ofício Divino e adoração eucarística, o Senhor num belíssimo Tabernáculo de prata octangular, como se estivesse guardado pelas bem-aventuranças, só que estas são ouro, o ouro dos podres, pode dizer-se a pensar na inversão do mundo de amanhã.

Princípio da tarde também, peregrinação ao Cenáculo, onde só duas vezes por ano, hoje e Pentecostes, se pode vir celebrar, ouvimos: o nosso Salvador aqui celebrou a Ceia pascal instituindo o memorial da sua Páscoa, aqui lavou os pés aos apóstolos e deu o Mandamento Novo, três momentos de um ritual todo simplicidade, adolescentes da paróquia de Jerusalém crismados no próximo Pentecostes, que também aqui aconteceu, tal como as aparições após a ressurreição, de pé nu para a agua pelas mãos do Custódio da Terra Santa, numa Sala de Cima apinhada de gente de todas as nações, um calor intenso, as guitarras dos seminaristas franciscanos a sustentar as vozes no louvor, única acto da alma aqui possível.

A peregrinação continua, cidade além, que os franciscanos visitam cada ano neste dia duas comunidades irmãs com quem os sobressaltos da história no Cenáculo estreitou a relação: em 1551, expulsos deste Lugar santo, são acolhidos pelos Arménios – a visita é à sua Catedral de São Tiago Maior, aqui decapitado segundo a Tradição, edificada sobre o palácio de Caifás, onde Jesus foi julgado pelos sacerdotes e negado por aquele a quem entregou o primado; após a destruição de Saladino, quem ficou a viver nas ruinas do Cenáculo, mantendo viva a memória, foram os Siríacos Ortodoxos, visita seguinte.

As ruas de Jerusalém a pejar-se progressivamente de gente, gente e mais gente, são romaria quente e no silêncio temperado da Basílica do Santo Sepulcro, nas entranhas do mundo, pousado sobre o Lugar onde esteve o Corpo Morto e donde se ergueu, Ressuscitado, está o Corpo Eucarístico e oferece-se-lhe a Adoração, radical e total convergência nEle.

À noite, a Igreja das Nações, assim de diz de Getsemani, foi-o. Não cabia mais ninguém quando o Custódio, depois de beijar a Pedra da Agonia, aqui, aturou sobre ela, gestos de semeador, pétalas de rosa cor de sangue. E ouvimos a Palavra, em sete línguas –o evangelho cantado em árabe, língua que para dizer Deus diz Ala, assemelha-se estranhamente ao canto do convite à oração que, cinco vezes por dia chama os muçulmanos à oração – contar a predição da negação de Pedro, depois a Agonia de Jesus no Horto, depois a sua Prisão. A Pedra foi incensada, muitos ficaram em oração pela noite dentro, outros juntaram-se aos muitos que estavam cá fora e partimos pela noite fora em procissão de velas da paróquia de Jerusalém, tudo dito e cantado em árabe, a lembrar também estranhamente o aramaico que ouvimos na Paixão de Mel Gibson e a sentirmo-nos ainda mais aqui por essa semelhança; o nosso destino, atravessado o Vale da torrente do Cédron, a Igreja erguida sobre as lágrimas de Pedro, no lugar, aqui, em que, segundo a Tradição, o Apóstolo chorou a sua Traição.

Ao regressar, na sala de cima da manhã, o Terraço de São Salvador, a luz da noite era intensa, a lua quase cheia, quase redonda a lembrar a adoração que decorria, sob aquelas cúpulas que brilhavam, quase ao alcance da mão, as que cobrem o Lugares da Morte e Ressurreição do Senhor, aqui.

9 comentários:

  1. Betway Casino - MapyRO
    Download this stock image: Betway Casino 밀양 출장마사지 - MapyRO - Free mobile slots 춘천 출장샵 games for Android and iOS. -. 4.7. 안산 출장마사지 -. Download and 천안 출장마사지 install this stock image: Betway Casino - MapyRO - 동두천 출장안마 Free mobile slots

    ResponderEliminar
  2. O "4º passo – Quinta-feira Santa" é descrito nesta revisão como uma experiência envolvente e significativa. A análise destaca a autenticidade e profundidade da vivência nesta data religiosa, destacando como o Senhor se torna uma presença ainda mais real e tangível. A revisão elogia a abordagem única e reflexiva adotada neste quarto passo, ressaltando sua capacidade de conectar os fiéis a uma compreensão mais profunda da espiritualidade da Quinta-feira Santa. A experiência é descrita como mais do que uma tradição, mas sim como um encontro significativo com a divindade. Em resumo, uma exploração espiritual enriquecedora que transcende a liturgia tradicional.bankruptcy chapter 7 attorneys near me

    ResponderEliminar
  3. Very good post! After reading, I truly like your blog! Thank you for contributing.Abogado Criminal del Condado Prince William

    ResponderEliminar
  4. On this Holy Thursday, may we open our hearts to the transformative power of Christ's love and sacrifice. As we gather around the table of the Lord, may we recognize his presence among us and be inspired to follow in his footsteps of humble service and unwavering faith.
    family law attorney near me edison nj

    ResponderEliminar
  5. Your passion for this topic really comes through in your writing. Well done. Keep share more like this. motorcycle accident near me

    ResponderEliminar
  6. the events of Holy Thursday invite us to contemplate the realness of Christ's presence in our lives and the transformative power of his love and sacrifice.abogado dui petersburg va

    ResponderEliminar